Por que esquecemos de alguns sonhos assim que acordamos? - Alternative Art

Por que esquecemos de alguns sonhos assim que acordamos?

1212 visualizações

comentários

Entre as diversas explicações que tentam trazer alguma luz a essa questão, estão abordagens psicológicas e até mesmo químicas.

Já acordou com aquela sensação de que você estava tendo um sonho mas não consegue se lembrar como ele era? Pois essa situação, aparentemente banal e cotidiana, também é alvo de investigação da ciência e pode trazer explicações incríveis sobre como funciona a nossa memória e até mesmo a química do cérebro humano.

Em “A Interpretação dos Sonhos”, o pai da psicanálise, Sigmund Freud, cita algumas ideias do neurologista Adolph Strümpell sobre o assunto, demonstrando que a resposta pode não ser tão simples e nem sequer única.

Para começar, todos os fatores que favorecem o esquecimento enquanto estamos acordados também fazem com que esqueçamos dos sonhos. Assim, boa parte da atividade onírica é esquecida porque não é relevante, ou seja, desperta sentimentos tão mínimos que acabamos não ocupando nossa memória com eles. Entretanto, esse não é o único fator responsável pela memória das imagens que os sonhos nos proporcionam.

 

Relevância e falta de sentido 

Freud conta que  Strümpell aceitava a possibilidade de que imagens oníricas bastante vívidas também pudessem ser esquecidas ao acordar, assim como a memória retida pode conter imagens aparentemente insignificantes. A explicação para isso seria o fato de que, normalmente, esquecemos eventos que aconteceram uma única vez conosco, dando mais atenção ao que acontece repetidamente. Como a maior parte das imagens de sonhos são únicas, estaríamos mais propensos a esquecê-las. 

Strümpell também leva em conta uma outra possibilidade para explicar o fenômeno. De acordo com o livro, para que sentimentos, representações e ideias sejam fixadas nas memórias, eles devem estar conectados ou associados a um contexto de natureza apropriada. Se misturarmos os versos de um poema, por exemplo, será mais difícil memorizá-los. Na ordem correta, as palavras do poema complementam umas às outras e o todo forma um sentido que facilita a memorização. Como os sonhos nem sempre possuem essa consistência, acabamos por esquecê-los.

O mesmo livro cita outros estudiosos e mais causas para o esquecimento dos sonhos, como por exemplo o fato de que, acordados, temos uma possibilidade maior de experimentar sentimentos e conexões do que quando estamos dormindo, fazendo, assim, com que as experiências do período em que estamos acordados tenham sido vividas com mais intensidade, tornando-se mais memoráveis.

 

A neuroquímica também não explica tudo 

De acordo com o psiquiatra responsável pelo Centro de Desordem do Sono do Hospital Newton-Wellesley, Ernest Hartmann, o nosso esquecimento repentino é, normalmente, atribuído  a condições neuroquímicas que acontecem durante a fase do sono conhecida como Movimento Rápido dos Olhos (REM). Mas, “para variar”, isso não explica totalmente o mistério.

O esquecimento de um sonho poderia ser explicado pela ausência do hormônio noradrenalina no córtex cerebral, região responsável pela memória, pensamentos, consciência e linguagem de alguém. Segundo artigo na Scientific American, um estudo publicado em 2002, no Jornal Americano de Psiquiatria, sugeria que a presença de noradrenalina aumentava a capacidade da memória humana. Entretanto, a simples ausência desse hormônio pode não ser o suficiente para explicar o esquecimento dos sonhos.

 

Quanto mais intenso, mais memorável

As teorias mais difundidas recentemente tratam o sonho como uma espécie de contínuo em que, de um lado, estão localizados os pensamentos focados e concentrados, enquanto que, de outro, ficam os sonhos e as divagações que fazemos nem tão conscientemente. Esses últimos são muito mais difíceis de permanecerem em nossa memória. Você consegue se lembrar, por exemplo, sobre o que pensava enquanto escovava os dentes hoje?

De acordo com Hartmann, tendemos a nos lembrar mais daquilo que nos afeta frequentemente e que são emocionalmente relevante. Por isso, muitas vezes temos sonhos tão estranhos ou bonito que chegam a capturar nossa atenção e aumentar a atividade na região do córtex pré-frontal dorsolateral, região do cérebro que facilita a memória. Em suma, quanto mais intensos são os sonhos, maiores são as chances de nos lembrarmos deles.

TAGS: sonhos, esquecer sonhos,

Autor:

Rua Ricardo de Jesus Ferreira, 215 - Cachoeira do Sul/RS

(51) 3530-1666

contato@agenciafaro.com.br